28/05/2014 - Em caminhada para testar acessibilidade em Joinville, cadeirante cai ao descer calçada

O Bus Alert, aplicativo que informa por áudio distância e horário dos ônibus também foi apresentado na Caminhada da Acessibilidade. Atividade reuniu pessoas com deficiência e autoridades para usar a ferramenta


Intenção é inserir esta ferramenta na próxima licitação ou prorrogação do contrato do transporte coletivo do município
Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS


Camila Nunes

O aplicativo Bus Alert, que informa por áudio a distância e os horários dos transporte coletivo, será testado em três ônibus da linha Norte/Sul de Joinville. A ferramenta foi apresentada na 4ª Caminhada Cívica da Acessibilidade na manhã de nesta terça-feira, na rua Santa Catarina, no bairro Floresta.

O objetivo foi chamar a atenção das autoridades sobre as dificuldades que as pessoas com deficiência enfrentam por causa das irregularidades das calçadas e falar sobre a importância da implantação do aplicativo no transporte coletivo.

O objetivo foi chamar a atenção das autoridades sobre as dificuldades que as pessoas com deficiência enfrentam por causa das irregularidades das calçadas e falar sobre a importância da implantação do aplicativo no transporte coletivo.

O Bus Alert irá beneficiar, principalmente, pessoas cegas ou com dificuldade de locomoção, mas será útil para toda a população. O aplicativo permite que os usuários consultem a distância em que o ônibus se encontra do ponto em que ele está, ao informar o número da linha que deseja pegar. O sistema foi testado pelo presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comde), Paulo Sérgio Suldoski, no Terminal Sul.

Ele já tinha feito o download no celular e digitou o número da linha Norte/Sul. Como é cego, o aplicativo informou, por áudio, quanto tempo faltava para o ônibus parar no ponto dele. A grande novidade é que quando o ônibus parou na plataforma em que estava, o motorista chamou Paulo pelo nome. Isso ocorreu porque o Bus Alert também contempla um aparelho no veículo, que informa quando há um usuário com deficiência esperando.

— Esta ferramenta irá humanizar o transporte coletivo e será uma revolução para as pessoas cegas ou cadeirantes que dependem dos ônibus — destaca Paulo.

Para o especialista em acessibilidade e assessor do Comde, Mario Cezar da Silveira, a ferramenta é de fundamental importância para os usuários. Além disso, destaca a importância de se rever a falta de acessibilidade das calçadas, pois 23% da população de Joinville têm algum tipo de perda funcional. O objetivo do Comde é de que o aplicativo seja implantado no transporte coletivo de Joinville na licitação ou na prorrogação do contrato do serviço.

Seis vereadores e representantes de instituições públicas da cidade também fizeram o trajeto que pessoas cegas costumam fazer ao sair do Terminal Sul até chegar à sede da Associação Joinvilense para Integração do Deficiente Visual (Ajidev). Eles participaram da caminhada usando ou empurrando uma cadeira de rodas, com muletas, de olhos vendados e guiados por cegos e com pesos nas pernas para simular a perda muscular dos idosos.

Cadeirante tomba no percurso

Durante a caminhada na rua Santa Catarina, uma cadeirante se desequilibrou e caiu ao descer a rampa de uma calçada. Por causa da inclinação, bastante acentuada, Clarice do Carmo Freitas, 37 anos, tombou em cima de uma boca de lobo. Apesar do susto, não se machucou.

— Se a gente não pedir ajuda, não tem como descer das calçadas. A minha coluna já está prejudicada por causa da falta de acessibilidade das calçadas e ruas de Joinville — reclama.

Clarice contou com a ajuda de amigos para se levantar e continuar o percurso. Ela ficou paraplégica há 14 anos, em um acidente de trabalho. Hoje, Clarice tem uma rotina com várias atividades. Superou a depressão por meio do esporte e agora é bailarina, cursa faculdade de dança e é professora.



Fonte: Portal Jornal Diário Catarinense